domingo, 12 de outubro de 2014

Política–Bolsa Família

Eu tenho me mantido neutra e silente durante todo esse processo eleitoral, apesar de já ter me manifestado sobre política em outras ocasiões por aqui, porque tenho entendido que esse não é o fórum adequado e porque tenho percebido que as pessoas agem e reagem com paixão sobre o assunto, passando por cima da razão e do respeito pelas opiniões diversas. Dessa forma, chancelam o ditado popular que diz que “sobre política, futebol e religião, não se discute”. Eu acredito piamente que a diversidade de posicionamentos e opiniões, bem como o respeito por elas, são elementos imprescindíveis para uma real democracia e também são motores para a construção de um país melhor. É preciso respeitar as opiniões diferentes das nossas e sempre se posicionar, se optarmos por fazê-lo, de uma forma respeitosa e racional. Para ilustrar o que digo, já surgiu uma livre adaptação de belo verso, dizendo que “é preciso amar as pessoas como se não houvesse eleições”. Porém, hoje, não sei exatamente o motivo (pois já li inúmeros comentários sobre e nunca quis me manifestar), senti vontade de me manifestar sobre um assunto: o Bolsa Família. Entendo que há muita confusão sobre esse assunto. Vejo pessoas criticando duramente quem critica o programa, argumentando que são trabalhadores que se travestem como classe dominante que não são e criticam o programa porque querem que as pessoas retornem a uma condição de subalternidade, ou que criticam porque nunca enfrentaram dificuldades na vida, e demais argumentos que seguem essa linha de raciocínio. Pois eu critico o programa Bolsa Família. Sou trabalhadora, não sou classe dominante e não sou contra o programa Bolsa Família. Apenas sou contra a forma como o governo, há anos, conduz e administra esse programa.

O Bolsa Família, na minha opinião, é extremamente necessário como um primeiro auxílio, para retirar as pessoas de uma situação precária, para melhorar suas condições e para dar dignidade, pois ninguém consegue aprender ou trabalhar desnutrido, por exemplo. Porém, penso que, concomitantemente, é necessário haver meios e ferramentas (programas) de estímulo e incentivo para que essas pessoas cresçam e se aprimorem, despertem o desejo de impulso, de querer aprender e crescer para seguir conquistando cada vez mais e melhores condições e, para tanto, é necessário que tenham acesso à educação, à saúde, à segurança e a oportunidades de inserção no mercado de trabalho. A minha crítica é no sentido de que não me parece que o governo faça isso ou seja esse o objetivo real do governo. Pelo contrário, me parece que o governo subjuga essas pessoas através do programa, fazendo questão de mantê-las dependentes do programa. E dependência gera alienação, duas coisas que são exatamente o que não desejamos a ninguém. Portanto, eu, trabalhadora, quando critico esse programa, o faço justamente por acreditar que as pessoas podem e merecem mais, podem e devem crescer e ter cada vez mais e melhores condições e não admito, por considerar desumano e incabível, que as pessoas sejam subjugadas dessa forma. Mas é apenas a minha humilde opinião e quis manifestá-la porque penso que são motivos de crítica que nunca ganham voz, pois não vejo as pessoas justificarem suas críticas dessa forma, e precisam ganhar voz para que se entenda que algumas pessoas que fazem críticas não são necessariamente contra o Bolsa Família, mas acreditam que o programa possa ser aprimorado justamente para atingir o objetivo que parece ser comum: que todo cidadão possa ter cada vez mais e melhores condições e possa ter acesso à educação, à saúde, à segurança e ao mercado de trabalho.

Enfatizo, novamente, que eu respeito todas as opiniões e posicionamentos porque acredito que é essa diversidade necessária que assegura uma real democracia. Sei que, no momento em que me manifestei publicamente sobre o assunto, estou sujeita a receber comentários e acho muito salutar, apenas peço encarecidamente que sejam feitos com respeito de forma a contribuir para um debate realmente construtivo. Um bom domingo a todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário